4
Legado / Shohei Shigematsu (OMA, NY) abriu sua palestra na PUC, sexta passada, com a imagem de uma carta enviada por “some angry people from Rio” a seu sócio, Rem Koolhaas, no ano passado. Custei um pouco a perceber que se tratava do protesto que assinei com um pequeno grupo de alunos e professores, após sua última passagem pela cidade.


Segundo Shohei, a carta foi recebida com surpresa, mas foi também o motivo pelo qual ele decidiu apresentar-se na PUC agora, em sua primeira passagem por uma escola de arquitetura no Rio. Depois da palestra, entre (muitas) caipirinhas no Baixo Gávea, discutimos se o legado dos grandes eventos para os quais a cidade se prepara pode não ser um projeto ou uma edificação, propriamente, mas uma mudança de pensamento e de postura no meio da arquitetura local, a começar pelas escolas de arquitetura.


Parece óbvio, mas é bom não esquecer o quanto o papel das escolas, neste momento, é fundamental. E se muitos projetos que temos visto para o Rio não tem a qualidade que gostaríamos que tivessem, e talvez não sejam capazes de provocar uma mudança efetiva na cultura arquitetônica local, quem sabe a presença cada vez mais freqüente de tantos arquitetos estrangeiros, em palestras e workshops com estudantes, possa produzir o legado pelo qual devemos – e podemos, de fato - trabalhar neste momento.

A palestra de Shohei, aliás, foi brilhante - e abriu um abismo em relação à maioria das apresentações de arquitetos estrangeiros que temos visto por aqui. Em vez de imagens espetaculares e de um discurso pronto e acabado em defesa de uma arquitetura da qual nunca se vêem os problemas, o que vimos foram muitos mapas, diagramas e maquetes toscas e sem acabamento refinado, que falam muito mais de um exercício aberto - pensamento-obra -, que de uma obra concluída. Nenhuma frase de efeito, nenhuma instrução. Muito mais problemas e desafios que soluções, enfim, e um delicioso tom irônico e provocativo em tudo - culminante no Instituto Marina Abramovic, em Nova York, projetado para abrigar suas delirantes performances de longa duração.

Um comentário:

  1. Para quem perdeu tem a palestra em vídeo?

    ResponderExcluir